Author Archives: Gil DePaula

NEGRINHO – Uma História do Livro “O Baú das Histórias Inusitadas”

  NEGRINHO Bayo em Iorubá significa “alegria é achada”, mas se a vida trouxe alegria para Bayo Suarili, esta terminou aos seus 16 anos. Há apenas algumas horas acaba de desembarcar de um navio negreiro. Cansada, sedenta, magérrima, fedendo e com várias feridas purulentas espalhadas pelo corpo causadas pela infestação de piolhos e lêndeas que nelas depositaram seus ovos, sabia ...

Leia Mais »

Jesus, o Passe e a Cura (Estudos)

Aproxima-se o tempo em que se cumprirão as coisas anunciadas para a transformação da Humanidade. Ditosos serão os que houverem trabalhado no campo do Senhor, com desinteresse e sem outro móvel, senão a caridade! Seus dias de trabalho serão pagos pelo cêntuplo do que tiverem esperados. Ditosos os que hajam dito a seus irmãos: “Trabalhemos juntos e unamos os nossos ...

Leia Mais »

Secos & Molhados: A Banda Mais Chocante da Música Brasileira

Por Gil DePaula Em agosto de 1973, em plena ditadura militar, foi surpreso e até um pouco chocado, que assisti na televisão, a estreia da banda Secos e Molhados. No palco, três homens pintados e travestidos, dançavam e rebolavam sem nenhum pudor, e seu vocalista; Ney Matogrosso, carregava nos trejeitos femininos, ao som da música “O Vira”, hipnotizando a quantos ...

Leia Mais »

Crônica da Vida: A Feliz e Triste Reunião de Amigos

Por Gil DePaula Em janeiro de 1984, fui trabalhar numa empresa chamada Cobra Computadores, que foi a primeira empresa de tecnologia do governo brasileiro. Era uma empresa que fornecia computadores e softwares, a diversas outras, principalmente a órgãos do governo. Apresentava, uma departamentalização bem simples, se dividindo, basicamente, entre os setores administrativo, marketing, técnico, software e gerência. Eu, permaneci nessa ...

Leia Mais »

Pensamentos Edificantes Sobre o Preconceito de Cor

Por Gil DePaula Ao ler o título deste texto, muitos pensarão: de onde ele tirou ser possível ter bons pensamentos sobre qualquer tipo de preconceito? Então, cabe explicar-me: A primeira coisa, que principalmente a pessoa discriminada deve ter, é a consciência que o problema não é dele e muito menos ele. O problema é, foi e sempre será, o outro. ...

Leia Mais »

“Brasil Nunca Mais”

Por Gil DePaula Há alguns anos, eu li um livro chamado “Brasil Nunca Mais”. Esse livro traz os relatos e acontecimentos, que mais marcaram os porões da ditadura. São relatos, verídicos e documentados, sobre as torturas e mortes que ocorreram durante esse período, histórias verdadeiramente chocantes dadas por quem sofreu, pela igreja e até pelos participantes do regime militar. E ...

Leia Mais »

O Feitiço do Tempo

Por Gil DePaula Eu sou aficionado por filmes, que trazem boas histórias. Há muito, tenho em minha coleção, um filme chamado “Feitiço do Tempo”, protagonizado por Bill Murray e pela bela Andie Macdowell e, não sei exatamente, o porquê de não o haver assistido. Talvez, o título dele não me empolgasse. Talvez, apenas hoje, fosse o momento para que isso ...

Leia Mais »

Crônica: O Pernilongo Que Não Estava de Quarentena

Por Gil DePaula Estou em casa, de quarentena imposta pelo governo de Brasília, há exatamente 15 dias. Para ocupar meu tempo, tomei a decisão que esses seriam dias produtivos. Primeiramente, me determinei, a executar tarefas de cunho intelectuais, tais quais: a leitura e o estudo, combinado com exercícios físicos para manter a forma. Entretanto, ontem, dia 02 de abril, ao ...

Leia Mais »

Ápice

Por Gil DePaula Minhas costelas por suas pernas enroscadas Projetam o epílogo desse capítulo amoroso Adentro sem pudores, livre e forte, másculo Entre braços que afagam minha nuca e orelhas Tua chama me alimenta e consome Pelos teus olhos submissos a me contemplar O prazer está suspenso, deixa se revelar Hirto, triunfante, regozijo, nesse instante Ávido, sou frontal, mas cubro ...

Leia Mais »

Crônica da Família: O Marido da Prima do Meu Pai

Por Gil DePaula Em 1959, meu pai abandonou as terras sergipanas, e veio para Brasília arriscar a vida na cidade nascente. No ano seguinte, eu, minha mãe e duas irmãs, que nasceram depois de mim, também viemos para o Distrito Federal, onde reunimos a família e fixamos residência na cidade-satélite de Taguatinga. Nos anos seguintes, vários parentes e amigos, tomaram ...

Leia Mais »
Paste your AdWords Remarketing code here